primeira expressão

Por que será que toda vez que alguém fala em se expressar é para mostrar um sentimento de revolta, preocupação, raiva, ou outra coisa triste? Eu não vou questionar os motivos, pois também tenho algo não muito alegre para mostrar.

A figura acima foi preparada numa noite de domingo depois que terminei de ler algo sobre Oskar Kokoschka. Fiquei com vontade de borrar um pouco de cor e de escrever o texto que vai nos cantos da folha e são reproduzidos abaixo.

“Não há pior prisão que a imposta sobre si mesmo. Olhar braceletes e enxergar algemas é um mal do ansioso. As cores são formas e a pressa deforma. É tudo simples e igual. Sombras contornos, números e mulheres, reunidos em um banho de águas de entendimento.”

“Por algum motivo este desenho me preocupa como este fantasma. Más é bom vê-lo e saber que está lá, encará-lo. O fantasma sou eu ainda em incompreensão. Onde deveria haver apenas a tranquilidade da verdade, existe a névoa que com calma há de ser dissipada.”

Pra mim, parece óbvia toda a auto-repressão expressa neste desenho e texto. Por exemplo, a figura à esquerda era originalmente um homem, mas tornou-se uma mulher para incomodar menos…

Depois de desenhar, fui dormir e tive um sonho num lugar que parecia uma escola velha, com cadeiras espalhadas e com alguns jovens. Eu me lembro de dizer para uma garota loira que bebia alguma cachaça e olhava as estrelas com uma amiga que depois que eu falei que gostava dela, nunca mais a tinha visto sorrir. Acho que fiquei preocupado de tê-la feito sofrer de alguma forma. Todo mundo no lugar parecia triste. Tinha a impressão de serem pessoas racionalmente inteligentes, mas ignorantes das obrigações da vida… O sonho termina depois que notei que estava sendo seguindo por uns gatinhos estranhamente peludos… E foi assim que acordei gripado.

Post Scriptum:

*Renata me disse já ter sonhado com o mesmo lugar.

Anúncios